Como as revoluções sociais podem impulsionar seu comércio eletrônico

O comércio eletrônico é um campo em expansão no Brasil. Isso, combinado com o fato de que agora é possível vender quase tudo online, desde bebedouro de coluna inox 220v a eletrodomésticos, levou muitas pessoas com sonhos empreendedores a considerar abrir um negócio nesta área.

Embora essas estatísticas provem que é mais fácil ter sucesso no comércio eletrônico do que em outros campos, isso não significa que o sucesso seja instantâneo. Como em qualquer outro estabelecimento, é fundamental investir em publicidade e criar valor junto ao cliente. Caso contrário, a loja provavelmente passará despercebida por eles.

Quer saber mais? Então, continue lendo e conheça algumas tendências de mídia social que vão ajudar a impulsionar o seu e-commerce.

Dando voz aos seus clientes

Hoje, sabemos que a criação de conteúdo é essencial para a criação de valor para uma empresa, e o comércio eletrônico não é exceção. Estar nas principais plataformas, fornecendo-lhes conteúdo relevante, é uma das melhores técnicas para atrair e reter clientes.

O que nem todas as empresas consideram é que o estabelecimento nem sempre tem de falar de si. Não há nada que os impeça de usar o conteúdo gerado pelo cliente para alimentar sua rede. Por exemplo, no caso de um estabelecimento que vende churrasqueira de inox gourmet, seria interessante compartilhar receitas e dicas de uso que o próprio público compartilha nas redes sociais. Dessa forma, é como se uma pessoa que pensa em comprar este produto recebesse uma recomendação de um amigo e conhecido.

Forneça informações úteis

Não há dúvidas de que divulgar as diferenças do seu produto nas redes sociais é fundamental para aumentar as vendas. No entanto, deve-se notar que hoje, o público não está mais respondendo às estratégias tradicionais de publicidade como no passado. Hoje, eles estão procurando informações relevantes para ajudá-los a tomar decisões de compra.

Por isso é interessante que a sua empresa se posicione como fornecedora desses dados. Por exemplo, digamos que ele esteja vendendo equipamentos para construção civil, nesse caso pode ser possível criar um conteúdo para uma rede social que não só alarde sua diferença, mas também explique como melhor usá-la, e até mesmo contraindicações ao seu uso. .

Embora você possa ter que pagar uma venda ou duas, o número de clientes satisfeitos ainda está crescendo. Além disso, a empresa se posiciona como especialista em sua área.

Não se esqueça da otimização

Nem todo conteúdo criado nas redes sociais é visto pelos usuários. A razão por trás disso é o fato de que a seleção do que é exibido para cada um é feita por um algoritmo, ou seja, um pedaço de código. A ideia é garantir que cada pessoa veja apenas o que é relevante para ela.

O problema é que, com isso, as empresas podem ter dificuldade em ser notadas no feed do usuário. Para evitar que isso aconteça, recomendamos que todas as mensagens sejam otimizadas por meio de técnicas como:

  • Uso de palavras-chave;
  • Use hashtags;
  • Use imagens bem desenhadas;
  • Publicado em um momento estratégico.

Desta forma, o número de pessoas que terão acesso ao seu conteúdo é maximizado.

Integrando seu site e sua rede

Nem todos sabem disso, mas é possível integrar as páginas que os usuários visitam em seu site com o que eles veem em suas redes sociais. Por exemplo, se eles virem camisas de silicone amarelas em sua loja virtual, mas não concluírem uma compra, você poderá usar uma ferramenta para exibir esse produto em anúncios de mídia social.

A boa notícia é que as próprias redes fornecem as ferramentas para isso. Por exemplo, o Facebook oferece um Pixel: é um código colocado em seu site que permite rastrear as características de seus visitantes. Assim, é possível criar anúncios personalizados, com base nos produtos que consultaram e até ver se realmente os colocaram no carrinho de compras.

Master

História dos games: 10 melhores jogos multiplayer para Master System

Lembram do clássico Master System? Produzido pela gigante produtora SEGA, este videogame fez parte da infância de muitos na casa dos 30/40 anos hoje, formando parte do que são hoje, e também formando amizades, seja nas antigas locadoras de videogames onde juntavam dezenas de jovens para “alugar” uma hora ou mais para jogar presencialmente, seja de outras formas.