extintor-incêndio

Mantendo-se atualizado sobre extintor de incêndio

Um extintor de incêndio é definido como um equipamento de segurança, que, após um certo momento, passou a ser item obrigatório em boa parte de instalações diversas. Com uma aparência característica, de um formato de cilindro vermelho, o Extintor CO2 tem como finalidade, controlar alguma conflagração emergencial e até mesmo extinguir pequenos incêndios.
A história dos extintores é mais antiga do que a maioria das pessoas pensam. No ano de 1734, o médico Alemão M. Fuchs inventou bolas de vidro, que possuíam uma solução salina em seu interior, com o intuito de atirá-las ao fogo. A forma popularmente conhecida nos dias atuais, somente foi desenvolvida em 1813.

Um militar inglês, George William Manby presenciou um incêndio catastrófico, pois as mangueiras d’água não alcançaram a altura necessária, para apagar as chamas e sua única opção foi assistir enquanto as chamas se alastraram pelo quarteirão.

Diante disto, ele chegou à conclusão de que uma quantidade pequena de água, enquanto o incêndio ainda estiver pequeno e controlável, pode evitar um incidente maior, visto que, muita água pode não ser eficaz, caso as chamas estejam propagando-se.

Em 1816, George inventou um cilindro de cobre, com cerca de sessenta centímetros de altura e capacidade para quinze litros de água. Envasado com até três quartos com uma solução conhecida como fluído anti chamas, uma solução potassa cáustica e o restante espaço repleto de ar comprimido, rapidamente o produto tornou-se um diferencial na sociedade e ganhou espaço em diferentes divisões e segmentos.

Como utilizar o extintor de incêndio?

Outro fator que passa despercebido pela maioria, é a necessidade de uma instalação correta do equipamento, bem como determinar a classe para a melhor situação, visto que, existem diferentes classes para lidar com diferentes causas de incêndio. Muitas inclusive, não sabem sobre o extintor co2 para que serve e qual a sua classe.

Para a instalação, é recomendado seguir uma medida entre 10 e 25 metros, dependendo do risco da área e tamanho do incêndio. Locais de risco isolados, como casas de força elétrica, casa de máquinas, contêineres de telefonia e casas de gás, é recomendável a instalação independente da proteção geral de edificação.

É necessário realizar uma manutenção de extintores e relatório de manutenção de extintores regularmente, de acordo com a data definida pelo fabricante do produto, renovando sua carga em intervalos estabelecidos pelo mesmo.

O extintor deve ser afixado na parede ou no chão, porém, fazendo uso de um material de suporte apropriado para este. O seu local deverá ser indicado com a placa – preferencialmente, com a forma referente à sua classe de uso – e caso o piso seja rústico, também se recomenda uma marcação no mesmo.

Em automóveis, tornou-se obrigatório o uso de extintores de incêndio portátil, que podem ser adquiridos em postos de gasolina ou lojas especializadas.

Modelos de extintor

Existem cinco tipos de classes, nas quais os extintores estão divididos por letras e formas geométricas

  • Classe A – Triângulo Verde;
  • Classe B – Quadrado Vermelho;
  • Classe C – Círculo Azul;
  • Classe D – Estrela Amarela;
  • Classe K – Hexágono preto.

O extintor mais apropriado depende do material que está em combustão e do tipo de incêndio. Alguns tipos de extintores não devem ser utilizados em determinados materiais, pois podem oferecer risco ao usuário do equipamento.

Durante a instalação, é recomendável colocar um adesivo referente a sua respectiva classe, contudo, no próprio corpo do cilindro é possível consultar para qual situação ele se torna eficiente.

O Extintor CO2 é feito de Gás Carbônico e é mais conhecido por apagar incêndios da Classe A, como papel, sólidos, fibra e madeira; mas, é indicado para Classe B – líquidos e gases inflamáveis – e Classe C, que remete a incêndios de equipamentos elétricos. Por não ser um à base de água, resolve com eficácia a maioria dos incêndios por essas três categorias;

O extintor classe D combate metais combustíveis, tais como pó de alumínio, magnésio, zircônio, potássio e titânio. É uma classe específica que não pode receber água ou espuma, pois provoca explosão e não possui nenhum dos outros elementos presentes nos demais extintores, como CO2 (Gás Carbônico), ABC (Monofosfato de Amônia) e BC (Bicarbonato de Sódio);

Por último, o extintor classe K lida com óleos e gorduras e possui um fator muito específico: apesar de extintores BC (Bicarbonato de Sódio) serem capazes de extinguir o fogo, não são capazes de efetuar um resfriamento, podendo causar uma nova ignição no fogo.

É importante atentar-se às datas de validade dos extintores e estar a par de sua classificação, para que, caso haja a possibilidade de algum incêndio, o mesmo seja usado de forma correta e eficiente, podendo assim, evitar algum desastre de nível maior.

Leave a Comment